Shakira se emociona ao receber prêmio no Fórum Econômico Mundial Shakira se emociona ao receber prêmio no Fórum Econômico Mundial Shakira se emociona ao receber prêmio no Fórum Econômico Mundial
Shakira se emociona ao receber prêmio no Fórum Econômico Mundial

Shakira recebeu nesta segunda-feira (16), em Davos na Suíça, o prêmio Crystal Award durante uma cerimônia que aconteceu um dia antes da abertura do Fórum Econômico Mundial. A cantora foi reconhecida por seu trabalho em prol do Desenvolvimento da Primeira Infância com este prêmio que é concedido a personalidades de todos os meios que são considerados “exemplos de liderança” em nível global.

Seu trabalho social em defesa dos direitos das crianças começou quando Shakira tinha apenas 18 anos de idade e criou a Fundação Pies Descalzos, onde milhares de crianças em áreas abandonas pelo governo colombiano recebem gratuitamente educação de qualidade. O projeto deu tão certo, que recentemente uma das escolas da fundação foi eleita a melhor escola pública da Colômbia.

A cantora que é Embaixadora da Boa Vontade da Unicef, também criou da Fundação ALAS (América Latina en Acción Solidaria) que conta com o apoio de diversos líderes latino-americanos para advogar pelas causas da crianças mais novas e promover o desenvolvimento da primeira infância.

Durante seu discurso que durou oito minutos, a colombiana falou para algumas das mentes mais brilhantes do mundo corporativo sobre a importância em garantir o acesso a educação para as crianças que foram privadas dos direitos básicos devido a ausência do governo. Shakira ressaltou ainda que cabe aos empresários chegar nas áreas em que os governos falham e se ausentam, e se emocionou ao dizer que aquelas crianças que nasceram na pobreza poderiam ser os filhos de qualquer um deles, até mesmo seus próprios filhos Mialn e Sasha.

Confira o discurso na íntegra, traduzido para português exclusivamente pelo Shakira Brasil:

Boa noite – obrigada pela honra deste prêmio, e pela oportunidade de falar com todos vocês.

Hoje, sabemos mais do que nunca sobre os primeiros anos do desenvolvimento infantil – especialmente o do cérebro. O cérebro de uma criança que é nutrido e estimulado, que participa da pratica de brincadeiras e leituras, protegido de fatores como estresse e conflito, tem a melhor chance de desenvolver todo o seu potencial porque está provado que as crianças que recebem cuidados adequados nesses primeiros cinco anos, se dão muito melhor na escola e na vida.

Infelizmente, este não é o caso em países como o meu ou outros no mundo em desenvolvimento, onde nascer na pobreza significa nunca sair dela.

Nós deveríamos estar devastados que em 2017, 250 milhões de crianças com menos de cinco anos estão em risco e provavelmente terão um atraso físico e intelectual.

Agora pare e pense nisso por um segundo. Estamos falando de quase a população de um país inteiro do tamanho dos EUA.

Esta é uma tragédia para essas crianças, e um fracasso épico para todos nós. Se não cuidarmos destas crianças a tempo, estamos falando de ciclos inter geracionais de pobreza e desigualdade. E quanto maior a brecha de desigualdade – mais difícil se torna superá-la. Quanto mais numerosos são os rostos dos que nasceram na pobreza – mais difícil de ver e ter empatia com cada indivíduo e reconhecer que, se não fosse pela pura geografia do local onde nasceram; Eles poderiam ser um dos nossos filhos.

Isso deveria nos deixar furiosos! E isso deveria fazer todos nós querer tomar partido. Porque todos nós temos interesse no resultado. O mundo está enfrentando sérios desafios hoje. Em 2050, espera-se um enorme crescimento populacional, e precisaremos alimentar 9 bilhões de pessoas, ou correr o risco de estar no limiar do conflito e da fome. Esta geração de crianças estará pronta para assumir a tarefa de eliminar a desnutrição e fornecer segurança alimentar?

Eles estarão preparados para apresentar novas inovações e encontrar soluções para as alterações climáticas, desemprego e os desafios mais complexos que a nossa sociedade enfrenta? Quem nos ajudará a administrar nossos recursos de forma mais eficiente e sustentável, daqui para os próximos 20 anos? São seus filhos, Milan e Sasha meus filhos, e aqueles 250 milhões de crianças em risco que precisam de nós para inclinar a balança de volta a seu favor.

Os bebês de hoje irão um dia dirigir os negócios de amanhã. Sua produtividade vai alimentar as economias de amanhã. A sua capacidade de contribuir irá moldar as sociedades de amanhã. Resolver os problemas do amanhã.

Todos vocês aqui hoje têm um papel crítico a desempenhar. Então o que você pode fazer? Vamos encarar; Nesta sala estão algumas das pessoas mais poderosas do mundo que sabem o que significa estar um passo à frente, e vocês podem ser tremendamente influentes. Precisamos aplicar os cérebros e estratégias de negócios e usar os recursos, os recursos humanos e talentos de suas empresas, para fazer o bem social e resolver problemas sociais.

Todos nós precisamos trabalhar onde os governos não trabalham. É a única maneira.

Dito isto – não se trata de deixar o governo fora do gancho – é sobre envolvê-los. Mas temos de dar os primeiros passos porque, como empresários, temos as ideias, a agilidade, as habilidades organizacionais e a mão-de-obra (e o poder feminino, é claro!).

Quando começamos a construir escolas na Colômbia, escolhemos as áreas mais remotas, onde não havia literalmente nada – nenhuma infra-estrutura, estradas pavimentadas, nem mesmo água potável.

Onde historicamente o governo tinha se ausentado, nós nos fizemos presentes.

Decidimos construir não apenas escolas, mas também escolas de última geração, com modelos abrangentes que incluíam programas de desenvolvimento da primeira infância, alimentação escolar, formação de pais e professores. Engajamos o governo como um parceiro estratégico e tornamos quase impossível para eles dizer não a fazer sua parte.

A transformação nessas comunidades pode ser vista imediatamente, os empregos gerados e a esperança inspirada, mas as melhorias na infra-estrutura foram de cair o queixo. A eletricidade e a água potável se tornaram acessíveis, as estradas foram pavimentadas, a desnutrição caiu e a melhor parte de tudo – os alunos realmente responderam academicamente, e agora aqueles garotos que poderiam ter sido recrutados por guerrilheiros ou traficantes de drogas estão a caminho da universidade ou prosperando suas comunidades. Agora eu não tenho que chamar os governos com tanta frequência, graças a Deus! Eles estão nos chamando querendo investir e construir mais escolas.

Eu não estou sugerindo que é fácil, mas há uma estratégia de saída para a pobreza e ela está dando a essas 250 milhões de crianças o acesso que elas precisam a programas de desenvolvimento da primeira infância de qualidade, então elas entram na escola e permanecem na escola.

Devemos pressionar os governos para aumentarem os seus gastos com desenvolvimento da primeira infância… temos de investir em campanhas de conscientização pública, temos de tornar o acesso à pré-escola grátis e temos de criar um fundo global para a educação, como a AIDS, a malária e a tuberculose tem seus próprios fundos.

Eu sei que posso soar veemente, como Bono uma vez me chamou, é porque EU SOU. E eu sei que eu posso levar algumas pessoas algumas loucuras com minha insistência, mas a razão pela qual eu sou tão apaixonada é porque eu vi com meus próprios olhos, o que investir na educação pode fazer! MILAGRES! Não há nada mais divertido e satisfatório do que ver uma criança que não tinha quase nenhuma possibilidade de ter sucesso, florescer e se dar bem bem na vida. Para mim, isso supera inclusive ganhar um Grammy qualquer dia.

Nós não podemos apertar o pause e pedir que aquelas crianças esperem para crescer até que nós tenhamos tudo resolvido. Não há um momento a se perder.

Precisamos investir em seres humanos: é a coisa inteligente a se fazer, a coisa estratégica a se fazer e a coisa certa a se fazer.

Muito obrigada.

Fontes: Shakira.com | World Economic Forum

Scroll Up